News

Register to receive our newsletter

pesquisa_noticias

Administrative, Urban, and Infrastructure
Environment
Arbitration
Litigation
Contract
Family and Succession
Corporate
Real Estate
Investment funds
INTERNATIONAL
Real Estate Litigation
Labor
Business Litigation and Compliance
Tax and Succession

Media Clips

Por unanimidade, Tribunal de Justiça de São Paulo mantém acórdão sobre direito de protocolo na Capital

publicado_em 09/21/2018 10:15

21 de setembro de 2018

Manutenção da decisão era aguardada pelo Secovi-SP, que participa do processo como amicus curie

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) decidiu por ampla maioria – 17 votos favoráveis e 7 contrários –, em 16/5, pela cassação da liminar que suspendia a aplicação do direito de protocolo previsto no artigo 162 da Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo (Lei nº 16.402/2016), anteriormente concedida em Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) ajuizada pelo Ministério Público.

Contra este acórdão, o Ministério Público apresentou embargos de declaração para eliminação de alegadas obscuridades, contradições ou omissões. Nesta quarta-feira, 19/9, o TJ-SP rejeitou esses embargos de declaração por unanimidade, por entender que não há quaisquer vícios no caso.

Assim, a decisão de cassação da liminar está mantida em seus termos originais.

“A Prefeitura pode continuar com os processos de licenciamento, pois não há impedimento, e o julgamento de mérito espera-se ocorrer até o final deste ano”, esclarece Marcelo Terra, coordenador do Conselho Jurídico da Presidência do Secovi-SP.

Com a decisão, empreendedores imobiliários e todos aqueles interessados que protocolaram projetos de empreendimentos sob a vigência da antiga Lei de Zoneamento poderão dar continuidade às suas obras conforme a legislação em vigor à época do protocolo.

“O Secovi-SP participa do processo como amicus curiae e a manutenção da decisão era esperada, em razão dos robustos fundamentos trazidos na decisão do TJ-SP que cassou a liminar”, comenta Flavio Amary, presidente do Sindicato da Habitação.

Fonte: Secovi-SP


 

compartilhe:

Register to receive our newsletter